terça-feira, 18 de maio de 2010

(...)

É estranho como um dia que se inicia de forma turbulenta, pode terminar de forma pacífica e prazerosa!

Hoje eu não queria levantar da cama: a madrugada foi terrível, repleta de imagens e sonhos remetendo à erros, traições e cotidiano estafante; acordei umas 10 vezes! Depois, o peso de ter que enfrentar o dia penoso que eu sabia que teria pela frente... E assim o dia passou... Arrastado, coração apertado, sem sabor, sem som nem sombra que te encante e chame atenção!

Mas à noite, na faculdade, o convívio e aprendizagem acendem um brilho tímido no caos cotidiano, obrigando-me a colocar no papel alguns objetivos que tenho para minha vida; e daí eu paro para pensar o quanto tenho deixado meus sonhos de lado, diante da pressa e rotina do “mundo adulto”.

Redescubro em mim então, as coisas mais simples e mais complexas que eu gostaria de ser/ter/fazer: poder almoçar com calma e sossego (de preferência a comida da minha mãe); ter tempo para reler todos os meus livros de Tolkien; voltar a fazer aula de Yoga; voltar a dar aulas de inglês; intensificar meus treinos de Pilates e começar a fazer caminhadas e andar de bike; emagrecer 5Kg; fazer aulas de dança, artesanato e fotografia; viajar (Europa, Peru, Egito, Índia, México, Turquia, e por aí vai!); silenciar a mente para conseguir escrever poesias novamente; ler todos os livros que eu gostaria de ler; sair mais com meus irmãos, com minha família; mudar tudo no meu quarto; chorar infinitas vezes de coração tranqüilo, ouvindo “Second Love”; ter a minha casa do meu jeito; andar sem rumo de mãos dadas num domingo à tarde; aprender o nome de todas as flores que tem no meu quintal; cozinhar um cardápio diferente, que demore a manhã toda; separar inúmeras fotos digitalizadas para serem reveladas; e tantas outras infinitas coisas...

Como o tempo me escorre pelas mãos... Como vamos enterrando os sonhos dentro de nós... Há quanto tempo eu não parava para pensar em todas estas pequenas luzes dentro de mim... E embora isso soe de forma estranha: vou dormir em paz!

2 comentários:

Carolyne M. Fernandes disse...

Mari, que bonito!

Você deveria escrever mais vezes assim... é tão gostoso de ler, a gente compartilha sentimentos e ficamos sabendo que nessa correria da vida...não estamos sozinhos. Todo mundo está nessa mesma situação.
E não é nada bacana...

Adoreeii...
bjos

Aline Keiko disse...

Nossa, ouvir Second LOVE! Se eu fizer isso, principalmente de domingo a noite, me jogo pela janela! A música é linda, mas é triste, faz chorar...

Eu acompanho seu blog. Muito legal. Escreve mais vezes.

Abraço