domingo, 5 de setembro de 2010

Sobre o início e o fim

(...)

Já dizia um velho livro
que no início o Planeta era escuro e sombrio,
e perambulava pelo universo informe e vazio.

Depois veio a luz e o firmamento,
as terras, os mares e as águas,
as sementes e as plantas,
o sol, a lua e as estrelas.

E a vida começou a borbulhar na água, na terra, no ar...
Moléculas deram as mãos em prol de organismos mais complexos:
os peixes, os anfíbios e os grandes répteis,
e depois as aves e os mamíferos.
E assim passaram-se milhões de anos...

¡Evolução!

Até que, num determinado ponto da história deste Planeta em questão,
uma especial-espécie tomou um caminho distinto na evolução,
e dentre vários “homos”, a sapiência encontrou o seu lugar.

O mesmo velho livro conta
que houve uma ordem
para que esta espécie se multiplicasse
e o Planeta dominasse...
E foi exatamente assim que aconteceu!

¡Revolução!

A espécie sapiens descobriu o seu maior tesouro: a Razão!
Começou a perceber o que o diferenciava dos demais seres,
e daí em diante, há milhares de livros a nos relatar a história:

Grandes pensadores e guerras,
invenções, descobertas, máquinas!
Novas ciências – a sapiência pensando a sapiência!
Limites e lugares alcançados,
vôos alçados...
A vontade de saber e conquistar mais e mais!

E o tempo foi passando...
E a sapiência foi escravizando a própria sapiência,
na busca pelo eterno poder,
na busca eterna pelo momento ímpar
em que nos reconhecemos como humanos
(O que somos? De onde viemos? Para onde vamos?)

E assim, a ordem foi cumprida:
dominou-se as águas, as infindáveis terras,
as florestas, os peixes, os animais,
as sementes, as árvores, as plantas,
as bactérias, os fungos e vírus,
e a enorme força nuclear dos átomos.

O homem dominou a si mesmo
criando regras para “viver em sociedade”.
E esta sociedade foi consumindo todos os recursos naturais,
que chegaram muito antes do homo sapiens neste Planeta:

Produzindo, produzindo, produzindo!
Consumindo, consumindo, consumindo!
E assim, o Planeta-Terra-Casa foi sendo destruído...
Talvez esta espécie não seja tão inteligente ou especial assim...

E já dizia um velho livro
que no final, o Planeta será escuro e sombrio,
e perambulará pelo universo informe e vazio...



Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

3 comentários:

Mari disse...

Até que enfim! Rsrs! =****

Laís Martins disse...

Massa!

Sensibilidade é um dom cedido a poucos mesmo.

Carolyne M. Fernandes disse...

Mari, quanto tempo sem te visitar por aqui!
E que coisa mais linda!


Vc mudou de emprego já? Aí vc não usa msn?
Estou com saudades de falar com vc!

bjãooo